Dec
23

Ilusão óptica

By Nomina Design  //  colunas, World Fashion + Varejo  //  Comments Off on Ilusão óptica

Perspectivas, proporções, cores, formas e grafismos são alguns dos recursos das artes plásticas e do design. Composições em 2D passam a sensação que são 3D, onde o estático ganha movimento e surpreende no conjunto das formas, materiais e cores. Quando apropriados pelo Store Design, estas composições resultam em ambientes muito além dos convencionais. Como? Muitas inspirações dos movimentos artísticos.

Grafismos em MOVIMENTO

A Op Art caracteriza-se pela composição de elementos gráficos que criam ilusão de movimento e confundem a nossa percepção ótica. Aplicados no Store Design, a sensação de perspectiva e profundidade se perde. As lojas temporárias se valem destes recursos para causar um imediato e grande impacto.

Numa das pop up stores da Artshop, centenas de setas pretas foram adesivadas sobre a base branca de todo o ambiente. Simulando o vôo de aves migratórias, todas se dirigiam para a mesma direção, tornando-se mais bold à medida que chegavam ao ponto focal: os produtos.


180m2 da pop up store da Artshop

Grafismos em MOVIMENTO ACELERADO

Para divulgar uma edição limitada de tênis inspirados na cultura pop americana dos anos de 1980, a Reebok criou, em 2009, sua primeira pop up store em Manhattan.

A empresa tinha a intenção de reposicionar-se na cena criativa e a loja temporária chamada de Reebok Flash, deveria servir de extensão da sua marca e seus calçados. O transeunte era transportado da movimentada Bowery para um ambiente que causava uma ilusão 2D. A loja de 280 m2 teve todas suas superfícies camufladas pelos elementos gráficos de cores vibrantes, intercalados por faixas brancas que recortavam o espaço num ritmo alucinante, criando um movimento acelerado. As faixas aplicadas em ângulos inclinados partiam do piso, escalavam os poliedros que serviam de bases expositoras até atingir o teto distorcendo os planos reais.

A fonte de inspiração foi um mix de Op art com forte predominância do Vorticismo, movimento britânico do início do século XX, marcado pela a associação da arte cinética com influências do Cubismo e do Futurismo. Vale dizer que a origem do nome vem do termo latim vortice que significa redemoinho. Neste ambiente, os tênis multicoloridos dispostos juntos aos grafismos se encontravam à mão dos clientes.


Pop up store da Reebok Flash

Perspectivas e Proporções DISTORCIDAS

Numa recente exposição realizada na cidade de São Paulo, as obras do artista holandês M. C. Escher (1898-1970) foram apreciadas e literalmente experimentadas pelo público que se divertia com as distorções causadas nas proporções. Era uma instalação em perspectiva, onde, como num efeito de ilusão visual, o visitante tornava-se gigante e no extremo oposto, parecia minúsculo. As obras deste grande mestre-matemático das artes gráficas são repletas de escadarias que sobem e descem e desafiam as leis da gravidade, assim como, as leis da perspectiva são totalmente distorcidas para a criação de um mundo imaginário, misterioso e impossível.


Relativity
, Escher,1953- técnica litografia.

Com esta mesma intenção e inspirado naquelas escadarias, o arquiteto italiano Francesco Gatti da 3Gatti, concebeu a nova loja da Alter em Xangai. As escadarias na Alter percorrem o piso, as paredes e o teto confundindo o senso de equilíbrio de qualquer desavisado. Os acabamentos em cores neutras sob o efeito da luz e sombra reforçam a sensação. Não só decorativas, elas são funcionais: escondem o escritório e os provadores, e ainda servem de base para exposição de roupas, calçados, jóias e livros. Como os habitantes da litografia de Escher, que não possuem feições, os manequins conhecidos no mercado como cabeça de ovo, não expõem roupas e estão sentados nos degraus das escadarias existentes no teto e nas paredes, desafiando as leis da gravidade.


Loja Alter em Xangai, inspirada na obra de Escher

Cores e Proporções ACENTUADAS

Nos anos de 1950, a Pop Art surge como um movimento artístico que buscava aproximar a ­arte da vida real. Produtos de consumo de massa eram reproduzidos pelos artistas “pops” em cores vibrantes e em uma escala exagerada, transformando o real em hiper-real. E assim, o mesmo objeto era repetido em cores diferentes. Colagens e serigrafias eram técnicas usuais.

Interpretada nos dias atuais, a Pop Art influencia na criação de coleções de moda e no design de mobiliários.

Na Nucleo, uma loja de 400m2 em Pouso Alegre, Minas Gerais, o mix de produtos premium, não só de moda, mas também de móveis e objetos, é exposto nos mobiliários que  definem e distinguem os vários ambientes da loja.


Mobiliários da Nucleo

Na seção de moda feminina teen, as araras e mesas de apoio têm as bases torneadas em formas exageradas e receberam acabamento laqueado em cores vivas como o vermelho, amarelo e azul. ­Trata-se de uma releitura dos tradicionais mobiliários do dia-a-dia onde as proporções exageradas aliadas aos elementos retos apontam para uma linguagem contemporânea. A escolha das cores intensas e de acabamento brilhante e o uso de espelhos nas paredes maximizam a percepção visual, criando a ilusão de aumentar ainda mais as proporções destes móveis.


Maximizado, também é o desenho do cabideiro para a seção do jeans.

Fotos: Divulgação

Por Noemi Saga, diretora de criação da Nomina Design.
Esse texto foi publicado na edição 136 da revista World Fashion + Varejo, na coluna + Sua loja.

Comments are closed.