Apr
14

Pontos de venda contam incríveis histórias

By Nomina Design  //  colunas, World Fashion + Varejo  //  Comments Off on Pontos de venda contam incríveis histórias

Como transmitir em um espaço físico -A LOJA- a rica história de uma marca que foi construída como num conto de fadas?

Por trás da etiqueta americana de jeans Raleigh existe uma fascinante história de construção de marca onde o produto é trabalhado até o extremo da produção artesanal.

 

ERA UMA VEZ…

Em 2007, um casal de estudantes colegiais da Carolina do Norte, EUA adquiriram duas máquinas de costuras e começaram a produzir em seu pequeno apartamento, peças de jeans artesanalmente. Em pouco tempo, em 2009, Victor e Sarah Lytvinenko já estavam fazendo sua primeira entrega para a Barneys, em Nova York.

Conhecida pela tradição na produção de denim, a Carolina do Norte foi e é grande aliada da Raleigh, para alcançar a melhor qualidade de cada jeans tanto em matéria-prima quanto na mão de obra especializada com métodos tradicionais de fabricação.

Victor e Sarah aprenderam com trabalhadores de antigas fábricas da região a operar e consertar as máquinas de costuras vintages para manter o trabalho artesanal. Esta filosofia faz parte do DNA da marca e está presente desde a seleção do denim (produzidos em fábricas norte-americanas de tradição) ao jeans acabado (numerados e assinados pela dupla). Os detalhes destes processos se revelam nas peças que assim se tornam únicas.

SABOR CONTEMPORÂNEO

O denim é tecido em teares antigos que deixam marcas de “imperfeições”, não usuais nos tecidos industrializados em grandes escalas. A textura do tecido é comparada por Victor  de uma forma muito sutil e sofisticada, ao 5º sabor na gastronomia, que não é doce, nem salgado, nem azedo e nem amargo: o Umami. Este sabor foi identificado e nomeado pelo cientista da Universidade Imperial de Tóquio, Kikunae Ikeda, e pode ser traduzido como gosto saboroso que vem da junção de duas palavras do japonês: Umai= saboroso + Mi= gosto (Avisei que era uma rica história e não poderiam faltar alguns detalhes como este…).

Os principais símbolos presentes na filosofia da Raleigh, de maneira metafórica ou simbólica, aparecem na primeira loja da marca inaugurada em 2012, em NovaYork.

 

ARTESANAL E TRADIÇÃO

A paixão pelo que fazem, e da forma como fazem, e as suas origens inspiraram a empresa OMA, responsável pelo projeto da loja, a criar um sistema bastante flexível para expor produtos na loja o que permite a equipe da Raleigh interagir na atmosfera da loja e mudar a maneira e o momento que desejarem.

 Raleigh_3_blog

O sistema remete à crinoline,  um ícone da moda feminina no período da Guerra Civil Americana (1861-1865), tinha formato de gaiola com estrutura vazada, usada como anágua e dava volume às saias. O período marcante na história americana deixou como herança muitos costumes/tradições, em especial para os sulistas. Quem não se lembra de Scarlett O’hara  com seus vestidos nas cenas do clássico filme: E o vento levou…

Na loja, as armações de tubos de aço montadas como um esqueleto dividem-na em três partes: a vitrine, coleções, e uma sala de estar com provadores e uma máquina de costura.

Pela simplicidade da estrutura, cada ambiente se transforma à medida que são trocados os objetos decorativos, isto é, as peças de jeans, e as instalações, pois podem ser facilmente pendurados e novamente arranjados, dependendo da função que se quer dar ao ambiente: seja como showroom, seja um evento ou simplesmente uma loja.

 

IMAGENS DE SONHOS…

Os arquitetos criaram a sala de estar abstrata no formato de gaiola como a crioline invertida. Desta maneira, este ambiente se transforma completamente e o merchandising pode ser o mais variado possível: trançando o jeans pelas grades, expondo os modelos em caixas penduradas como num mercado, ou ainda pendurando peças em cabos como uma exposição de arte. A partir daí vem o verde com plantas, bem como os diversos esquemas de  iluminação…

Uma parte que não passa desapercebida na loja é uma textura incrível que se forma através de centenas de aviõezinhos de papel! Este símbolo também está presente no teto do estúdio da Raleigh.  O casal reuniu amigos e familiares e todos dobraram e penduraram os aviões nas seqüências das estruturas do teto.

“Nossa filosofia de negócio fundamenta-se no modelo em que nós mesmos fazermos o máximo que podemos. Amamos a aventura e nostalgia associada à imagem dos aviões” , diz Sarah Lytvinenko.

Raleigh_1_blog

 

CABINET DE CURIOSIDADES E HOSPITALIDADE SULISTA

A loja Raleigh, de 90 m2,  é como um Cabinet de Curiosidade, isso é, traz o conceito de varejo híbrido, no qual  o produto principal convive com outros peças de curadoria. O casal coleta peças antigas, objetos, mobiliários, tapetes que fazem parte do seu habitat e espalharam essa coletânia pela loja.

O clima da hospitalidade sulista é reforçado pelo layout da loja, pelo qual todos os ambientes convergem para a sala de estar abstrata, onde reina uma antiga máquina de costura Union Special 43200G, de 1921. É nela que os clientes tem os ajustes de bainha feitos por uma profissional.

Tudo isto traz um clima familiar, de simplicidade e de conforto, fazendo com que os visitantes sintam-se à vontade.

Raleigh_2_blog

 

SUSTENTABILIDADE

Vivendo num estado com muitas riquezas naturais, parques para conservação da natureza (olhe a arara na loja!), e um cluster na produção de jeans, tudo inspira para o desenvolvimento da moda através da utilização de recursos locais e naturais como o uso do algodão orgânico produzido localmente.

Fabricar um jeans dentro deste processo exige muito mais trabalho do que o sistema industrial de uma unidade de produção convencional. Mas para os Lytvinenko: “Vale a pena!”

A excelência do produto é resultado dessa história de paixão e amor que é a essência dessa marca e que se torna pretexto para conhecer e inspirar-se nessa loja, onde ser denso ou minimalista, cheio ou vazado só depende do desejo e das mãos de Sarah e Victor.

ESTA HISTÓRIA CONTINUA….

 

Fotos: Divulgação

Por Noemi Saga, diretora de criação da Nomina Design

Esse texto foi publicado na edição 142 da revista World Fashion+Varejo, na coluna +Sua Loja

Comments are closed.